Ex-Rio Claro e Atibaia, meia do Santo André recorda como era jogar em país em guerra

Quem vê Gian atuando pelo Santo André nem imagina por onde ele esteve no início da carreira. Antes de se estabelecer no futebol paulista, o meia de 28 anos jogou no leste da Europa entre 2011 e 2015, conhecendo outro futebol e, principalmente, outras culturas.

O meia, inclusive, descobriu como era atuar num país em guerra. Quando defendia o time ucraniano PFC Sumy na temporada 2013-14, as tensões geopolíticas entre Ucrânia e Rússia deram origem ao conflito armado que dura até hoje.

Chegada ao Leste Europeu

Em parceria com o Olé Brasil, clube de Ribeirão Preto, Gian foi jogar no Quirguistão em 2011, aos 18 anos. Na época, ele jogou pelo time B do Dordoi Bishkek por conta da idade. Quando foi promovido ao time principal, porém, não deixou de atuar pela segunda equipe.

"Eu estava bem no time B, fazendo gols e dando assistências. O treinador do time B queria que eu continuasse jogando para ele", disse Gian com exclusividade ao Escanteio SP. "Desgasta muito, mas eu tinha 18 anos, então aguentava".

Conflito na Ucrânia e retorno ao Brasil

Após dois anos no Quirguistão, Gian foi contratado pelo PFC Sumy para atuar no futebol ucraniano na temporada 2013-14. Na Ucrânia, o meia descobriu como é jogar em meio a um conflito armado.

Durante sua única temporada no PFC Sumy, as tensões geopolíticas entre Ucrânia e Rússia escalaram para uma guerra que dura até hoje. A cidade de Sumy, inclusive, faz parte da região de Sumy, que faz fronteira com a Rússia em boa parte de seu território. Jogar na região em 2014 era conviver com o conflito armado.

"Quando eu mudava de cidade, eu era parado e tinha que mostrar o passaporte", disse Gian, que revelou que a maior preocupação vinha de sua mãe, que estava no Brasil. "Ela via as notícias na televisão e me ligava preocupada. Eu falava que era tudo mentira, mas eu ia jogar e passava por tanques de guerra".

Gian em ação pelo Dordoi Bishkek, do Quirguistão — Foto: Divulgação

 

Ainda em 2014, Gian se transferiu novamente para o Dordoi Bishkek, retornando ao Quirguistão para mais dois anos jogando no país. Foram as duas últimas temporadas do meia antes de retornar ao Brasil e jogar no futebol brasileiro pela primeira vez a nível principal.

De volta ao Brasil, Gian se estabeleceu em seu estado-natal de São Paulo. Entre 2016 e 2020, o meia defendeu Rio Branco, Botafogo, Portuguesa e Atibaia no futebol paulista, também passando por Inter de Lages-SC e Tupi-MG.

Campanha com o Rio Claro

Em 2021, Gian vive sua melhor temporada na carreira. O meia disputou o Campeonato Paulista Série A2 pelo Rio Claro, que bateu na trave na busca pelo acesso e chegou às semifinais. No Azulão, ele viu de perto o funcionamento do trio de ataque formado por Denilson, Jair e Cesinha, artilheiro da Série A2 com sete gols.

Para ele, o segredo do time estava no técnico Alberto Félix e no ambiente do clube. "O ambiente no Rio Claro era muito bom. Conversamos até hoje. O Cesinha era meu colega de quarto. Encaixou bem por isso e pelo jeito que o professor Alberto [Félix] montava o time".

Série D no Santo André

Após a campanha no Rio Claro, Gian foi contratado pelo Santo André para o Campeonato Brasileiro Série D. No Ramalhão, o meia reencontrou o técnico Wilson Júnior, com quem trabalhou no Atibaia em 2019 e 2020.

No último sábado (28), o Santo André conquistou a classificação para a fase final da Série D. O clube do ABC Paulista ainda terá mais uma rodada pela primeira fase neste sábado (4), diante do Bangu, antes de seguir na busca pelo acesso à Série C.