Devido a confusão na final da Série A3, Gustavo Marciano é suspenso por cinco jogos

Técnico foi condenado pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-SP) por ofender o árbitro após o apito final

Na última quinta-feira, o Comercial recebeu uma má notícia, já que seu treinador, Gustavo Marciano foi suspenso por cinco jogos pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-SP) por ofender o árbitro após a final da Série A3 do Campeonato Paulista. O técnico deve cumprir a suspensão na Copa Paulista.

De acordo com o TJD-SP, o treinador foi punido por ter descumprido os artigos 243-F e 258-B do Código Brasileiro de Justiça Desportiva. Foram quatro jogos pelo primeiro artigo por “ofender alguém em sua honra, por fato relacionado diretamente ao desporto”. E uma partida por “invadir local destinado à equipe de arbitragem, ou o local da partida, prova ou equivalente, durante sua realização, inclusive no intervalo regulamentar”. Além disso, o comandante comercialino também terá que pagar R$ 500 de multa.

LEIA TAMBÉM
+ Presidente do São Caetano é acusado de chefiar grupo que lavou R$ 500 milhões e torturava camelôs
Confira a melhor campanha de cada time na Copa Paulista

Ademais do técnico, o preparador físico Éder Lopes e o zagueiro Maycon Douglas também foram punidos, ambos com um jogo. O Comercial foi absorvido pelos juízes na infração de se omitir ou não tomar providências para evitar as ofensas proferidas aos profissionais da arbitragem. No entanto, a equipe terá que pagar uma multa de R$ 1750. Tanto a punição quanto a absolvição, poderão ser recorridas pelo Leão do Norte e pela procuradoria, respectivamente.

Segundo o diretor jurídico do Bafo, Fernando Augustus Teixeira, a equipe vai tentar reverter a punição ao clube em pagamento de cestas básicas ou ajuda para instituições de caridade. Os outros casos também serão analisados pela equipe, que deve tentar reduzir as sanções.

Dois gandulas da equipe também foram condenados e receberão penas de 240 dias de suspensão e multas de R$ 1 mil cada um. A maior penalidade ficou com o massagista do Comercial, Lucas Marcelo dos Santos Coelho, que foi punido por 600 dias, mais seis jogos e o pagamento de R$ 1 mil em multa. Um dos artigos infringidos por Lucas foi de “praticar agressão física durante a partida, prova ou equivalente".

Relembre a confusão

A confusão com o juiz Thiago Luís Scarascati aconteceu após o gol do Noroeste na partida de volta da final da Série A3, nos minutos finais de jogo, que deu o título a Locomotiva. Atletas, comissão técnica e funcionários do clube partiram para cima do árbitro reclamando dos cinco minutos de acréscimos dados na segunda etapa.

Na súmula, Thiago alegou que a equipe de arbitragem foi agredida fisicamente e verbalmente por membros do Comercial e precisou sair escoltada do Estádio Palma Travassos até a rodovia.